DEATHCLEAN® - Legislação da Gestão de Resíduos

ADEATHCLEAN® preocupa-se com o ambiente, dando assim um correto e legal destino aos produtos resultantes das limpezas, respeitando a lei nacional de recolha dos Resíduos Hospitalares de Risco Biológico.

São resíduos que não podem ser colocados na rede de recolha de resíduos normais visto serem potenciais portadores de patologias. Para além disso estão incluídas algumas substâncias que devido à sua natureza, não sendo portadoras de microrganismos patogénicos, poderão causar danos na saúde pública. Estes resíduos poderão ser líquidos, sólidos ou semi-sólidos.

Apesar do nome “hospitalar”, é óbvio que os resíduos não se limitam aos produzidos por um hospital, mas também por centros de saúde, clínicas e qualquer outro estabelecimento, como por exemplo um lar de terceira idade. Estes resíduos devem ser incinerados para que sejam destruídas quaisquer microrganismos que poderiam ser perigosos, sendo depois as cinzas resultantes da incineração colocadas em aterros para resíduos perigosos.


Legislação Aplicável:


Grupo III - Resíduos Hospitalares de Risco Biológico

São resíduos contaminados, ou suspeitos de contaminação, suscetíveis de incineração ou de outro pré-tratamento eficaz, permitindo posterior eliminação como resíduo urbano. De forma a tratar estes resíduos da forma adequada é necessário fazer separação dos resíduos. Assim, os resíduos do Grupo I e II são colocados em saco preto, os resíduos do Grupo III em saco branco (e devidamente identificado) e os resíduos do Grupo IV em saco vermelho (e devidamente identificado).

O tratamento destes lixos passa em grande parte pela sua incineração. No entanto existem outros processos, que ao serem utilizados no Grupo III poderão tornar estes resíduos inofensivos, podendo então seguir o mesmo percurso que os resíduos comuns, ou seja, não perigosos para a saúde pública.

Nestes processos inclui-se a autoclavagem, o tratamento por microondas e a desinfeção química. A autoclavagem consiste no processo de submeter os resíduos a uma temperatura bastante elevada, juntamente com vapor de água até que sejam destruídos os microrganismos patogénicos. Tem como desvantagem não diminuir a perigosidade de resíduos não orgânicos, sendo no entanto menos dispendioso que a incineração. O tratamento por microondas surgiu mais recentemente e também é um processo em que são utilizadas as temperaturas elevadas para destruir os microrganismos patogénicos. Por último temos a desinfeção química em que são utilizados produtos químicos para destruir os microrganismos.

Limite o risco biológico, não se exponha a riscos desnecessários. Contrate apenas profissionais qualificados. Fale connosco, existimos para ajudá-lo.